• 1558
  • 1
  • 1
  • 0

Estudante cria dispositivo para ajudar menino deficiente a comunicar melhor

Partilhado por Ana Duarte a 07/10/2015 - 12:29

Sobre a solução

Andrew usa um programa de computador para comunicar com a sua família e amigos. O programa corre uma variedade de palavras, imagens e cartas, e Andrew deve operar um interruptor com a cabeça para indicar as palavras que ele quer dizer. Mas por causa de um distúrbio do movimento que acompanha a sua forma rara da doença, muitas vezes ele bate no interruptor de forma não intencional e assuas mensagens tornam-se ilegíveis. O que Gary fez foi criar um interruptor ativado pela luz, que reduz o contacto incidental com o interruptor.

Com este dispositivo, o interruptor ativado pela luz, Andrew é menos susceptível de ativar o programa de computador inadvertidamente. Para usar o novo gadget, ele usa uma fita na cabeça que tem uma luz do tamanho de uma agulha, que ele dirige a um pequeno recetor ligado ao apoio de cabeça na sua cadeira de rodas. Por causa do pequeno tamanho do dispositivo, é mais difícil para Andrew para ativar o interruptor de comunicação por acidente, e porque o transmissor e o receptor estão próximos, Andrew só precisa de fazer movimentos deliberados e ligeiros para ativá-lo.

"Ele está a usar o computador para aprender a ler, soletrar e construir frases, e ele estava a receber um monte de falsos hits," disse o pai de Andrew, Gary Sylvia. "Ele está a aprender a ler e escrever e é importante para ele ter um bom software para que não fique frustrado."

Comtois criou o novo dispositivo como parte do seu estágio de desenvolvimento de tecnologias de apoio para doentes no Hospital Slater Eleanor em Cranston, e levou dois meses para concluir o projeto.

"Eu estava pensando sobre isso - esta invenção é, na verdade, fazer alguma coisa para alguém. Então não é trabalhar - Eu vou ajudar alguém. O fato de que por trás deste projeto era um doente real com uma necessidade realmente me motivou. Eu criei um projeto inicial, e em seguida, reuni com Andrew e os seus pais para saber mais especificamente o que eles precisavam, e então modifiquei o projeto com base no que eles me disseram ", explicou o inventor. Um monte de ideias para o projeto final veio do pai de Andrew.

Gary Sylvia, em seguida, uma pós-graduação de engenharia química, está grato que Comtois tenha projetado um dispositivo que irá melhorar a capacidade de Andrew para comunicar, algo que é essencial para o seu desenvolvimento e escolaridade.

"Qualquer coisa que pode aumentar a sua eficiência e precisão irá adicionar à sua capacidade de interagir com o computador", disse Sylvia. "A mudança torna-se mais importante dependendo de quão longe Andrew vai. Como ele está (na escola), ele precisa de ser mais rápido e preciso. O interruptor tem um grande potencial para ir para a frente, e ser concebidos para outras crianças ".

Adaptado de: http://bit.ly/2vFop2T

Mais informações: http://bit.ly/2tzwYe4

Esta solução não deverá mencionar o uso de drogas, químicas ou biológicas (incluíndo alimentos); dispositivos invasivos; conteúdo ofensivo, comercial ou inerentemente perigoso. Esta solução não foi validada medicamente. Prosseguir com atenção! Em caso de dúvidas, por favor consulte um profissional de saúde.

Sobre o autor

Andrew Sylvia, dos EUA, tem paralisia cerebral. Em 2003, quando Gary Comtois, então com 20 anos, era um júnior na Universidade de Rhode Island, ele desenvolveu um dispositivo para ajudar Andrew a usar um computador e comunicar melhor.

Gostar da solução
Fechar pt
Fechar