• 243
  • 0
  • 0
  • 0

Mulher cria pensos higiénicos reutilizáveis

Shared by Ana Duarte on 26/07/2019 - 09:11

Sobre a solução

Na Etiópia, ficar menstruada pela primeira vez significa que a menina é madura o suficiente para se casar. No entanto, o casamento precoce geralmente significa gravidez infantil e fístula obstétrica. É por isso que muitas meninas etíopes sentem vergonha quando estão com o período, sofrendo em silêncio pela vergonha e medo. Além disso, a maioria dessas meninas não pode comprar tampões e pensos higiénicos. Elas usam peças velhas de roupa (às vezes usam lenços grandes para se cobrirem se as roupas ficarem manchadas), o que não é higiénico e pode comprometer a sua saúde. Além disso, há uma crença de que as meninas menstruadas são impuras, e muitas adolescentes faltam à escola e provavelmente ficarão para trás nos estudos e até mesmo desistirão eventualmente, arruinando a sua carreira.

Quando Freweini teve o seu primeiro período, ficou aterrorizada. Ela usou trapos e não contou à mãe e às irmãs sobre isso, apesar da necessidade de entender situações como caimbras e períodos irregulares.

Freweini foi para os EUA para estudar. Durante a sua primeira visita a uma drogaria local, em 1983, ela ficou impressionada com as opções de pensos higiénicos. Isso fê-la pensar mas meninas na Etiópia, que não têm acesso a esse produto.

Depois de se formar, Freweini permaneceu nos EUA, onde trabalhou por 10 anos. Quando ela voltou para a Etiópia, ficou chocada ao ver que a situação em relação às meninas e ao período ainda era a mesma.

“As histórias que ouvi eram chocantes - cavar um buraco e ficar de cócoras por três a cinco dias, ou envolver-se em tiras de pano”, disse a mulher.

Isso fê-la agir. Em 2005, ela criou um penso higiénico reutilizável patenteado. Três anos depois, ela fundou a sua própria empresa - Mariam Seba Sanitary Products Factory - para produzir em massa e comercializar este produto.

Estas almofadas e totalmente laváveis, feitas de um forro de algodão absorvente e apoio impermeável. Eles podem ser anexados à roupa íntima com um botão.

Segundo a CNN: “o design permite dobrar em um pacote pequeno e discreto. Os pensos custam 90% menos do que um ano de absorventes descartáveis e podem durar até dois anos com os devidos cuidados, tornando-os ecologicamente corretos”.

Desde 2009, quase 800.000 meninas beneficiaram destes produtos. Freweini vende mais de 80 por cento dos pensos que faz para organizações não-governamentais que as distribuem gratuitamente. O seu outro objetivo foi atacar o estigma em torno da menstruação, mantendo conversas com os alunos nas escolas.

Adaptado de: https://bit.ly/2YuOX88
https://www.youtube.com/watch?v=-EKhKdMQ4Lw

Esta solução não deverá mencionar o uso de drogas, químicas ou biológicas (incluíndo alimentos); dispositivos invasivos; conteúdo ofensivo, comercial ou inerentemente perigoso. Esta solução não foi validada medicamente. Prosseguir com atenção! Em caso de dúvidas, por favor consulte um profissional de saúde.

Sobre o autor

Freweini Mebrahtu, nascida na Etiópia, em 1965, inventou pensos menstruais reutilizáveis porque, quando era menina, sofria de medo associado à menstruação. Em 2019, as meninas etíopes ainda escondem o fato de estarem menstruadas e não podem pagar absorventes higiénicos.

Categorias associadas a esta solução

Gostar da solução
Fechar pt
Fechar