• 1248
  • 1
  • 1
  • 0

Alunos criam forma de ajudar a garota que foi atingida por um relâmpago a comer sozinha

Shared by Ana Duarte on 13/09/2017 - 12:43

Sobre a solução

Os alunos criaram duas abordagens para resolver este problema: Emily comprou um braço de robot de $ 300, que ela reprogramaria para que Katelyn pudesse controlá-lo com um joystick. Michael escolheu uma abordagem mais mecânica, trabalhando com tubos de PVC e juntas porque achava que seria mais natural e independente para Katelyn.

Os alunos fazem parte de um programa chamado SERO (Student Engineers Reaching Out). O SERO surgiu de um programa nacional em que estudantes se associam a organizações de serviços locais para atender às necessidades humanas e comunitárias. O projeto com Katelyn começou porque a sua terapeuta ocupacional da Terapia Ambulatório Neurológica Memorial, Heather Beaver, ouviu falar sobre o SERO e contactou-os, a pedir ajuda.

Katelyn estava a a andar de barco com o seu meio-irmão, em 2006, quando uma tempestade saiu do nada e desencadeou um raio que a atingiu.

Ela sofreu graves queimaduras e foi transportada por ar para dois hospitais diferentes. Katelyn ficou em estado de coma por meses, e o seu cérebro ficou severamente afetado. Os médicos disseram à sua mãe, Julie Noblitt, que a sua filha nunca mais caminharia ou conversaria novamente. A lesão cerebral traumática foi permanente, e a sua memória de curto prazo foi afetada, assim como o movimento físico. Dez anos depois, Katelyn recuperou o controlo dos seus braços quando segurados perto de seu tronco, mas quando os estende, o dano nervoso contínuo causa tremores que fazem com que o controle de um garfo ou colher seja quase impossível.

"Quando comemos fora num restaurante, eu vejo-a afastar-se das outras pessoas lá, para eles não a verem a comer. Isso quebra o meu coração. Este projeto é sobre auto-estima, dando-lhe o controlo para comer por conta própria ", explicou Julie.

A equipa encontrou-se com a doente para testar os refinamentos mais recentes do sistema de tubulação de PVC, que acabou por ser a solução mais adequada. Michael apertou o dispositivo na mesa, enquanto Emily ajudou Katelyn a prender uma cinta de velcro para proteger o braço direito na porção do punho.

Ela empurrou para pegar num pedaço de fruta, e a nova mola empurrou o garfo de volta enquanto ela manipulava as articulações para torcer o garfo na direção da boca. Usando ambos os braços, ela encontrou melhor controle.

O processo leva alguma prática, mas obteve um feedback positivo de Katelyn. Em seguida, pegou numa amora e manobrou o garfo para abri-la na boca.

Michael explicou que faria mais algumas mudanças com base nos resultados mais recentes enquanto Katelyn praticaria durante o verão. Ela poderia dar feedback ao grupo SERO que depois trabalhará essas mudanças.

Katelyn inclinou-se sobre o iPad e digitou uma mensagem: "Gosto. Estou muito feliz. "

Mais informações: http://bit.ly/2jngzca

Adaptado de: http://ntrda.me/2wYZokk
https://youtu.be/tuAETFgNMPk

Esta solução não deverá mencionar o uso de drogas, químicas ou biológicas (incluíndo alimentos); dispositivos invasivos; conteúdo ofensivo, comercial ou inerentemente perigoso. Esta solução não foi validada medicamente. Prosseguir com atenção! Em caso de dúvidas, por favor consulte um profissional de saúde.

Sobre o autor

Emily Cunningham e Michael Boyle são estudantes de engenharia da Universidade Notre Dame, que criaram, em 2016, uma ferramenta para ajudar Katelyn Tooth, que foi atingida por um raio, quando tinha 12 anos, a alimentar-se sozinha.

Gostar da solução
Fechar pt
Fechar