• 2096
  • 1
  • 1
  • 1

Mulher cria colete salva-vidas inspirado pelo pai refugiado

Partilhado por Ana Duarte a 12/09/2019 - 10:50

Sobre a solução

O dispositivo está equipado com um GPS. Quando submerso, o colete envia a localização do utilizador para a guarda costeira mais próxima.

“Comecei a imaginar se, Deus me livre, acordasse com a notícia de que o meu pai estava a afogar-se e que ninguém era capaz de ajudá-lo. Em que estado eu ficaria? ”, explicou o inventor.

Siba fez vários pedidos de subsídios e bolsas de estudos, mas continuou a ser recusada. Ela foi então aceite num concurso de inovação científica para adolescentes, que lhe forneceu o treino necessário para construir o colete salva-vidas. Por sua vez, esse protótipo permitiu-lhe obter uma bolsa de estudos para estudar ciência da computação numa universidade na Jordânia.

“Se alguém [no mar] se deparar com algum perigo, a sua voz será ouvida e os guardas costeiros poderão resgatá-lo... Não só alcançará refugiados, mas todos, grupos de turistas, entusiastas de desportos aquáticos que viverão em paz e segurança”, descreveu Siba.

A estudante espera obter uma patente e começar a produzir em massa sua invenção.

Adaptado de: https://bit.ly/2lTPLlp

Esta solução não deverá mencionar o uso de drogas, químicas ou biológicas (incluíndo alimentos); dispositivos invasivos; conteúdo ofensivo, comercial ou inerentemente perigoso. Esta solução não foi validada medicamente. Prosseguir com atenção! Em caso de dúvidas, por favor consulte um profissional de saúde.

Sobre o autor

Siba Obeid, nascida na Síria, em 1998, é uma refugiada que mora na Jordânia desde 2013. Ela desenvolveu um colete salva-vidas de alta tecnologia depois de o seu pai lhe ter dito que estava ia para a Europa por mar, para ajudar a impedir que se afogasse.

Categorias associadas a esta solução

Comentários (1)

  • pumpedfish Sáb, 14/09/2019 - 05:59

    O Braille foi adotado pela primeira vez por uma escola em Amsterdã. Oito anos depois, e dois anos após a morte de Louis, o Instituto Nacional da Juventude Cega, onde Louis costumava trabalhar, finalmente oficializou o sistema Braille e, no final do século XIX, a maioria do mundo o adotara. No entanto, os EUA fizeram isso apenas em 1916.
    https://happywheelsgame.io/

Gostar da solução
Fechar pt
Fechar