• 3220
  • 0
  • 0
  • 0

Pai cria dispositivos de impressão em 3D para ajudar o seu filho a andar e a falar

Partilhado por Ana Duarte a 26/06/2017 - 11:42

Sobre a solução

"A comunicação foi um dos primeiros desafios para o qual pudemos usar a impressão em 3D para ajudar a resolver. Tanner estava a aprender alguma linguagem gestual, mas os seus terapeutas achavam que poderia fazer mais do que isso", explicou o pai.

Tanner estava a usar uma app no iPad da escola. O software mostra ícones em vários agrupamentos personalizáveis, e ele pode selecionar as imagens que o iPad verbaliza para ele. Estava a funcionar bem, mas isso levou a um problema, que era a cadeira de rodas de Tanner, porque era difícil para ele segurar um iPad e operar a cadeira de rodas.

Havia adaptações de cadeiras de rodas, mas eram muito caras. Os terapeutas da escola deixaram Tanner usar uma temporariamente. Funcionou bem, e consistia num aparelho simples, um prato e um suporte no meio. Então, Paul decidiu construir um ele mesmo, usando impressão em 3D.

"Eu não tinha nenhuma experiência de modelagem na época, e pensei que seria uma maneira perfeita para aprender. Então usei Fusion360. Comprei uma estrutura para um microfone, coloquei isso entre as partes e, como magia, Tanner tinha o seu próprio suporte para iPad personalizado", disse o inventor.

O próximo desafio era andar, já que Tanner tinha cinco anos na época, e não havia motivo médico para ele não andar.

Paul inscreveu o seu filho num programa chamado Adaptive Aquatics. Este programa é especializado em ajudar crianças com necessidades especiais com problemas de mobilidade, bem como construir a sua confiança, na água. Enquanto flutuava na água usando um flutuador especializado, a equipa conseguiu levá-lo a mexer as pernas e mover os braços.

Estava a funcionar, mas era difícil para os instrutores, porque o banco exigia que duas pessoas operassem quando Tanner estava a caminhar sobre ele, pois ele não tinha equilíbrio e o sistema de bancada não tinha trilhos, exceto nos extremos distantes. Depois de conversar com um instrutor, um plano surgiu e o próximo e projeto prático de impressão em 3D de Paul começou, de modo que Tanner teria um banco em que pudesse operar sozinho.

A solução de um banco, feito de PVC com uma superfície plana e trilhos de extremidade ao longo dos lados estreitos.

"As primeiras tentativas várias falharam por várias razões, mas, em última análise, fomos bem sucedidos! Foram desenvolvidas extremidades especializadas que se encaixam nas extremidades de um tubo de PVC que irá fixar no banco e usando parafusos com três botões impressos que poderiam ser removidos facilmente. Nós tentamos com Tanner e quase imediatamente Tanner estava a usar o sistema sem instrutores terem de segurar as suas mãos! Dentro de uma semana, outras crianças também estavam a usar a solução, e até hoje ainda está em uso (embora a solução tenha sido modificada) ", afirmou Paul.

Tanner agora caminha e fala.

Adaptado de: http://bit.ly/2scU3St
https://youtu.be/cUNiGDX0QD0

Esta solução não deverá mencionar o uso de drogas, químicas ou biológicas (incluíndo alimentos); dispositivos invasivos; conteúdo ofensivo, comercial ou inerentemente perigoso. Esta solução não foi validada medicamente. Prosseguir com atenção! Em caso de dúvidas, por favor consulte um profissional de saúde.

Sobre o autor

Paul Yanzick, dos EUA, tem um filho, Tanner, que sofre de Spina Bifida e Síndrome de DiGeorge. Com a impressão em 3D, Paul resolveu alguns problemas em relação à comunicação e caminhada de Tanner.

Gostar da solução
Fechar pt
Fechar