• 2074
  • 1
  • 2
  • 0

Homem cria encaixes prostéticos mais confortáveis

Partilhado por Ana Duarte a 25/06/2019 - 11:47

Sobre a solução

David cresceu na Serra Leoa, durante os anos 90, quando viu muitas pessoas - incluindo familiares e amigos - perderem os seus membros durante a guerra civil.

Muitas dessas pessoas tinham próteses, no entanto, não as usavam porque eram dolorosas. "Não importa se alguém lhe dá um par de sapatos que valem $ 200 dólares - se eles são dois tamanhos pequenos demais para si, você não vai usá-los; prefere andar descalço. Isto é a mesma coisa - as próteses eram absolutamente desconfortáveis para estas pessoas e não importava se era grátis ou não, não usavam”, observou David.

Assim, o inventor começou a trabalhar nesse problema e identificou a raiz do mesmo até o encaixe da prótese.

"Ver pessoas que perderam os seus membros e cujas vidas foram simplesmente interrompidas foi muito, muito traumatizante", afirmou.

Ao obter o seu PhD no MIT Media Lab, ele surgiu com a solução. Uma vez que o encaixe da prótese é a interface onde o membro residual é encaixado no dispositivo protético, ele concentrou-se nesse detalhe.

O inventor observou que o processo de encaixar o membro no encaixe leva pelo menos três semanas em países do primeiro mundo e pode levar até um ano na Serra Leoa. Os processos de fundição e moldagem de gesso ainda são usados para criar os encaixes, então David procurou um processo que pudesse levar menos tempo e produzir melhores resultados. Ele fez isso usando a ressonância magnética, pegando no contorno exato do membro residual de um doente. Esses dados foram para um programa de elementos finitos para analisar as áreas de maior stress durante o uso normal do doente. Em seguida, os dados dos elementos finitos foram enviados para uma impressora 3D para construir uma tomada protética multimaterial. Materiais mais suaves são usados em áreas de maior stress para proporcionar conforto ao utilizador. Então, essencialmente, David usa exames de ressonância magnética dos membros de um doente e uma impressora 3D multicamada para personalizar o design do encaixe e torná-lo mais confortável e personalizado para o utilizador.

"Estamos a obter imagens, estamos a receber dados que quantificam a impedância e a rigidez de cada corpo, e podemos usar isso com as informações de superfície que temos e a modelagem que fazemos, para criar uma forma perfeita e uma prótese de material de impedância multimaterial”, explicou.

Adaptado de: https://cnn.it/2ZJdCmr
https://bit.ly/2Lgs8OC
https://www.youtube.com/watch?v=rvkMauaHxBw

Esta solução não deverá mencionar o uso de drogas, químicas ou biológicas (incluíndo alimentos); dispositivos invasivos; conteúdo ofensivo, comercial ou inerentemente perigoso. Esta solução não foi validada medicamente. Prosseguir com atenção! Em caso de dúvidas, por favor consulte um profissional de saúde.

Sobre o autor

David Sengeh, PhD, nascido na Serra Leoa, em 1987, é o Diretor de Inovação de Ciência, Tecnologia e Inovação de Serra Leoa. Ele desenvolveu encaixes para próteses mais confortáveis porque alguns dos seus familiares e amigos são amputados cujas próteses eram dolorosas de usar.

Gostar da solução
Fechar pt
Fechar