• 3273
  • 2
  • 2
  • 0

Artista cego desafia a ideia das artes visuais melhorando uma bengala

Partilhado por Maria Inês Lobato a 08/11/2017 - 13:06

Sobre a solução

Carmen Papalia tentou produzir um sistema de acesso para si mesmo que melhor atendesse às suas necessidades do que uma bengala. Ele criou Mobility Device, uma performance colaborativa que lhe permite abandonar a sua bengala trocando para uma banda que serve como o seu principal sistema de navegação. Como parte de uma performance específica do em locais do Mobility Device, ele explorou o centro de Santa Ana, enquanto a banda do Grande Centurião da Century High School fornecia pistas musicais, indicando objetos, obstáculos e outras informações que eles sentiam que poderiam ser relevantes para ele em na jornada.

Com Mobility Device, dispositivos elétricos, tais como postes e faróis tornam-se notas na paisagem sonora de um lugar. O arranjo propõe a possibilidade de sistemas de acesso criados por utilizadores, criativos e baseados em processos, enquanto representam uma solução não institucional e não institucionalizada para o problema da bengala.

"Eu vi essa bengala como uma oportunidade para colaborar", disse ele.

Como peça de música, Mobility Device é uma extensão da musicalidade da bengala, chamando a atenção para as coisas que ele implementa, em qualquer ocasião, pode tocar e dar origem ao som.

"Ao assumir projetos como Mobility Device e Blind Field Shuttle, cheguei a perceber a minha maneira de estar no mundo como um modo de orientação que tem o potencial de descobrir todo o corpo de conhecimento invisível. Isso inspirou-me a considerar tudo de como as culturas poderiam ter evoluído se as origens da comunicação se tivessem centrado no sentido tátil do que uma experiência típica do museu para o aprendiz não visual poderia ser. Eu condensei o meu pensamento sobre esses tópicos em num artigo para uma edição especial de Estudos de Deficiência Trimestral e elaborei uma lista de intervenções que reestruturarão o acesso no museu como um processo criativo aberto. Perto do final do artigo ofereci os meus serviços como coordenador de acesso a qualquer instituição que me desejasse ", explicou Papalia.

O seu trabalho foi apresentado em exposições e compromissos em locais como o Whitney Museum of American Art, o Museu Guggenheim e o Museu de Arte Moderna.

Adaptado de:
http://bit.ly/2iKN4RD
http://bit.ly/2b72Hxk
http://bit.ly/2xy7BLS

Mais informações:
https://carmenpapalia.com
https://youtu.be/u1fRXpg6IFQ

Esta solução não deverá mencionar o uso de drogas, químicas ou biológicas (incluíndo alimentos); dispositivos invasivos; conteúdo ofensivo, comercial ou inerentemente perigoso. Esta solução não foi validada medicamente. Prosseguir com atenção! Em caso de dúvidas, por favor consulte um profissional de saúde.

Sobre o autor

Carmen Papalia, nasceu em Vancouver, no Canadá, em 1981. É um artista cego de prática social que faz projetos participativos sobre o tema de acesso ao espaço público, a instituição de arte e a cultura visual. Ele projeta experiências que convidam os participantes a expandir a sua mobilidade percetiva e a reivindicar o acesso a espaços públicos e institucionais.

Gostar da solução
Fechar pt
Fechar