• 2744
  • 0
  • 2
  • 2

Designer cria próteses para ajudar dançarinas de ballet amputadas

Partilhado por Ana Duarte a 22/07/2019 - 17:12

Sobre a solução

Marie-T (nome dado em homenagem à bailarina sueca Marie Taglioni) consiste numa perna prostética feita de uma peça impressa em 3D, pé moldado racionalmente injetado com espuma, fibra de carbono, biqueira de aço inoxidável e punho de borracha (para ajudar a dançarina com equilíbrio e momentum durante as rotações).

O que há de inovador nesse gadget é que, ao contrários dos membros artificiais tradicionais, que são projetados para imitar o corpo humano, ele permite que os dançarinos de ballet amputados melhorem o seu desempenho.

O designer inspirou-se para construir este dispositivo depois de ler sobre uma dançarina que perdeu as pernas. “Uma vez vi um relato sobre uma menina que adorava e perdeu as pernas no terremoto de Wenchuan. A menina perdeu a sua chance de dançar novamente quando perdeu as pernas, mas se ela tivesse essa prótese, ela poderia ter a oportunidade de recuperar os seus sonhos. O design atual está a prestar cada vez mais atenção a alguns grupos especiais, à sua vida espiritual e aos seus sonhos. Este tipo de design é cada vez mais fácil de usar, acredito que haverá designs mais semelhantes no futuro, prestando atenção aos detalhes”, observou ele.

Marie-T permite que os amputados dancem na ponta durante toda a apresentação, incentivando os dançarinos a criar uma nova coreografia que nunca foi executada por bailarinas tradicionais. "Eu queria explorar o que aconteceria se você permitisse que uma pessoa desempenhasse a sua tarefa 100% do tempo", disse An, que desenvolveu o Marie-T ao longo de quatro meses. “Como o ballet mudaria? Eu queria criar uma ferramenta para alguém usar e deixar a imaginação deles definir as capacidades do produto”, disse Jae-Hyun.

Enquanto pesquisava, o inventor percebeu que um tornozelo fraco pode torcer e fazer com que uma bailarina em posição de ponta oscilasse. Com isso em mente, ele projetou uma área de tornozelo forte e estável que ajuda a bailarina a permanecer em equilíbrio. O tornozelo conecta-se a um membro de fibra de carbono levemente curvado que ajuda a absorver o impacto do impacto da bailarina que avança. O membro é coberto por uma soquete impressa em 3D com parafusos de cabeça redonda de aço. Os membros prostéticos mal ajustados podem causar bolhas e erupções nas dançarinas. O design também tem isso em conta, já que as peças prostéticas de Marie-T também podem ser trocadas no caso de redimensionamento ou substituição devido ao desgaste.

Jae-Hyun quer continuar a desenvolver o seu projeto juntando-se a uma dançarina de amputados que partilha a sua visão inovadora para este novo género de ballet.

Adaptado de: https://bit.ly/32N7mwD
https://bit.ly/2Y4iqli
https://bit.ly/2LAJ5oa

Mais informações: https://bit.ly/2Swcd04

Esta solução não deverá mencionar o uso de drogas, químicas ou biológicas (incluíndo alimentos); dispositivos invasivos; conteúdo ofensivo, comercial ou inerentemente perigoso. Esta solução não foi validada medicamente. Prosseguir com atenção! Em caso de dúvidas, por favor consulte um profissional de saúde.

Sobre o autor

Jae-Hyun An é um designer industrial que mora nos EUA e criou a Marie-T, uma prótese criada especificamente para dançarinos de ballet amputados. Ele projetou esse dispositivo depois de ler um relatório sobre uma menina amputada que adorava dançar.

Comentários (2)

Gostar da solução
Fechar pt
Fechar